356x237

Artista

The Strokes

Sobre The Strokes

O rock norte-americano vinha de um momento de baixa, sem novidades há tempos, absorvendo praticamente apenas os sons ingleses (também em fase de autoanálise), quando os Strokes estouraram com o álbum Is This It, em 2001. Canções como “Last Nite”, “The Modern Age” e “Barely Legal” deram novo sopro ao chamado indie rock e, da noite para o dia, ajudaram a criar dezenas de novas bandas. Formado em Manhattan, Nova York, por Julian Casablancas (vocais), Nick Valensi (guitarra), Albert Hammond Jr. (guitarra), Nikolai Fraiture (baixo) e Fabrizio Moretti (bateria), o Strokes já saiu em turnê mundial logo após o primeiro trabalho e viu seu álbum ser eleito o melhor do ano por diferentes publicações especializadas. O segundo Room on Fire, de 2003, não causou o mesmo impacto. Três anos depois veio First Impressions, aclamado pela crítica, mas que também passou longe de ser um sucesso de público. Depois de lançar Angles, em 2009, a banda participou de dezenas de shows e festivais e fez pausa a partir de 2011. O trabalho mais recente, Comedown Machine, saiu em 2013, puxado por “All the Time”.

356x237

The Strokes

O rock norte-americano vinha de um momento de baixa, sem novidades há tempos, absorvendo praticamente apenas os sons ingleses (também em fase de autoanálise), quando os Strokes estouraram com o álbum Is This It, em 2001. Canções como “Last Nite”, “The Modern Age” e “Barely Legal” deram novo sopro ao chamado indie rock e, da noite para o dia, ajudaram a criar dezenas de novas bandas. Formado em Manhattan, Nova York, por Julian Casablancas (vocais), Nick Valensi (guitarra), Albert Hammond Jr. (guitarra), Nikolai Fraiture (baixo) e Fabrizio Moretti (bateria), o Strokes já saiu em turnê mundial logo após o primeiro trabalho e viu seu álbum ser eleito o melhor do ano por diferentes publicações especializadas. O segundo Room on Fire, de 2003, não causou o mesmo impacto. Três anos depois veio First Impressions, aclamado pela crítica, mas que também passou longe de ser um sucesso de público. Depois de lançar Angles, em 2009, a banda participou de dezenas de shows e festivais e fez pausa a partir de 2011. O trabalho mais recente, Comedown Machine, saiu em 2013, puxado por “All the Time”.

Sobre The Strokes

O rock norte-americano vinha de um momento de baixa, sem novidades há tempos, absorvendo praticamente apenas os sons ingleses (também em fase de autoanálise), quando os Strokes estouraram com o álbum Is This It, em 2001. Canções como “Last Nite”, “The Modern Age” e “Barely Legal” deram novo sopro ao chamado indie rock e, da noite para o dia, ajudaram a criar dezenas de novas bandas. Formado em Manhattan, Nova York, por Julian Casablancas (vocais), Nick Valensi (guitarra), Albert Hammond Jr. (guitarra), Nikolai Fraiture (baixo) e Fabrizio Moretti (bateria), o Strokes já saiu em turnê mundial logo após o primeiro trabalho e viu seu álbum ser eleito o melhor do ano por diferentes publicações especializadas. O segundo Room on Fire, de 2003, não causou o mesmo impacto. Três anos depois veio First Impressions, aclamado pela crítica, mas que também passou longe de ser um sucesso de público. Depois de lançar Angles, em 2009, a banda participou de dezenas de shows e festivais e fez pausa a partir de 2011. O trabalho mais recente, Comedown Machine, saiu em 2013, puxado por “All the Time”.

Sobre The Strokes

O rock norte-americano vinha de um momento de baixa, sem novidades há tempos, absorvendo praticamente apenas os sons ingleses (também em fase de autoanálise), quando os Strokes estouraram com o álbum Is This It, em 2001. Canções como “Last Nite”, “The Modern Age” e “Barely Legal” deram novo sopro ao chamado indie rock e, da noite para o dia, ajudaram a criar dezenas de novas bandas. Formado em Manhattan, Nova York, por Julian Casablancas (vocais), Nick Valensi (guitarra), Albert Hammond Jr. (guitarra), Nikolai Fraiture (baixo) e Fabrizio Moretti (bateria), o Strokes já saiu em turnê mundial logo após o primeiro trabalho e viu seu álbum ser eleito o melhor do ano por diferentes publicações especializadas. O segundo Room on Fire, de 2003, não causou o mesmo impacto. Três anos depois veio First Impressions, aclamado pela crítica, mas que também passou longe de ser um sucesso de público. Depois de lançar Angles, em 2009, a banda participou de dezenas de shows e festivais e fez pausa a partir de 2011. O trabalho mais recente, Comedown Machine, saiu em 2013, puxado por “All the Time”.

Disponível em iOS, Android, Windows e Web.

Músicas ilimitadas em qualquer lugar. Milhões de músicas em todos os gêneros.

Disponível em iOS, Android, Windows e Web.