356x237

Artista

Mayra Andrade

Sobre Mayra Andrade

Nascida em Havana e radicada em Paris desde 2003, a cantora de Cabo Verde cresceu ouvindo música brasileira e os ritmos típicos da Ilha de São Vicente, onde viveu até os 6 anos e para onde voltou aos 14, depois de viver no Senegal, Angola e Alemanha. Estava então decidida a se tornar cantora. Travou contato com os ritmos tradicionais fortemente percussivos, como a funana e o batuku, e com a releitura deles feita por Orlando Pantera, um artista local. Em 2006, gravou seu primeiro álbum, Navega, de forma independente. Dois anos depois, com Stória, Stória surpreenderia pela mistura de ritmos e influências do jazz e bossa nova aos ritmos cabo-verdianos. O trabalho de 2010, Studio 105, foi gravado ao vivo em clima intimista e apresentou releituras seguras de “Michelle”, dos Beatles, e “La Javanaise”, de Serge Gainsbourg, além de várias canções em idioma créole, que possui várias palavras reconhecíveis para falantes do português. Com forte identidade com a música brasileira, Mayra Andrade já gravou com Caetano Veloso, Lenine e Chico Buarque. Seu mais recente lançamento, Lovely Difficult, tem baladas em inglês (“We Use to Call It Love”), francês (“Le Jour se Lève”), outras aparentadas do português (“Ilha de Santiago”) e ritmos de todo o mundo.

356x237

Mayra Andrade

Nascida em Havana e radicada em Paris desde 2003, a cantora de Cabo Verde cresceu ouvindo música brasileira e os ritmos típicos da Ilha de São Vicente, onde viveu até os 6 anos e para onde voltou aos 14, depois de viver no Senegal, Angola e Alemanha. Estava então decidida a se tornar cantora. Travou contato com os ritmos tradicionais fortemente percussivos, como a funana e o batuku, e com a releitura deles feita por Orlando Pantera, um artista local. Em 2006, gravou seu primeiro álbum, Navega, de forma independente. Dois anos depois, com Stória, Stória surpreenderia pela mistura de ritmos e influências do jazz e bossa nova aos ritmos cabo-verdianos. O trabalho de 2010, Studio 105, foi gravado ao vivo em clima intimista e apresentou releituras seguras de “Michelle”, dos Beatles, e “La Javanaise”, de Serge Gainsbourg, além de várias canções em idioma créole, que possui várias palavras reconhecíveis para falantes do português. Com forte identidade com a música brasileira, Mayra Andrade já gravou com Caetano Veloso, Lenine e Chico Buarque. Seu mais recente lançamento, Lovely Difficult, tem baladas em inglês (“We Use to Call It Love”), francês (“Le Jour se Lève”), outras aparentadas do português (“Ilha de Santiago”) e ritmos de todo o mundo.

Sobre Mayra Andrade

Nascida em Havana e radicada em Paris desde 2003, a cantora de Cabo Verde cresceu ouvindo música brasileira e os ritmos típicos da Ilha de São Vicente, onde viveu até os 6 anos e para onde voltou aos 14, depois de viver no Senegal, Angola e Alemanha. Estava então decidida a se tornar cantora. Travou contato com os ritmos tradicionais fortemente percussivos, como a funana e o batuku, e com a releitura deles feita por Orlando Pantera, um artista local. Em 2006, gravou seu primeiro álbum, Navega, de forma independente. Dois anos depois, com Stória, Stória surpreenderia pela mistura de ritmos e influências do jazz e bossa nova aos ritmos cabo-verdianos. O trabalho de 2010, Studio 105, foi gravado ao vivo em clima intimista e apresentou releituras seguras de “Michelle”, dos Beatles, e “La Javanaise”, de Serge Gainsbourg, além de várias canções em idioma créole, que possui várias palavras reconhecíveis para falantes do português. Com forte identidade com a música brasileira, Mayra Andrade já gravou com Caetano Veloso, Lenine e Chico Buarque. Seu mais recente lançamento, Lovely Difficult, tem baladas em inglês (“We Use to Call It Love”), francês (“Le Jour se Lève”), outras aparentadas do português (“Ilha de Santiago”) e ritmos de todo o mundo.

Sobre Mayra Andrade

Nascida em Havana e radicada em Paris desde 2003, a cantora de Cabo Verde cresceu ouvindo música brasileira e os ritmos típicos da Ilha de São Vicente, onde viveu até os 6 anos e para onde voltou aos 14, depois de viver no Senegal, Angola e Alemanha. Estava então decidida a se tornar cantora. Travou contato com os ritmos tradicionais fortemente percussivos, como a funana e o batuku, e com a releitura deles feita por Orlando Pantera, um artista local. Em 2006, gravou seu primeiro álbum, Navega, de forma independente. Dois anos depois, com Stória, Stória surpreenderia pela mistura de ritmos e influências do jazz e bossa nova aos ritmos cabo-verdianos. O trabalho de 2010, Studio 105, foi gravado ao vivo em clima intimista e apresentou releituras seguras de “Michelle”, dos Beatles, e “La Javanaise”, de Serge Gainsbourg, além de várias canções em idioma créole, que possui várias palavras reconhecíveis para falantes do português. Com forte identidade com a música brasileira, Mayra Andrade já gravou com Caetano Veloso, Lenine e Chico Buarque. Seu mais recente lançamento, Lovely Difficult, tem baladas em inglês (“We Use to Call It Love”), francês (“Le Jour se Lève”), outras aparentadas do português (“Ilha de Santiago”) e ritmos de todo o mundo.

Disponível em iOS, Android, Windows e Web.

Músicas ilimitadas em qualquer lugar. Milhões de músicas em todos os gêneros.

Disponível em iOS, Android, Windows e Web.