356x237

Artista

João Bosco

Sobre João Bosco

Mineiro de Ponte Nova, João Bosco só lançou o primeiro disco aos 26 anos, em 1972, mas não poderia ter feito isso de maneira mais gloriosa. Sua música “Agnus Sei”, com letra daquele que seria seu parceiro mais fiel, Aldir Blanc, foi a escolhida para o lado B de um compacto que trazia a primeira gravação de “Águas de Março”, de Tom Jobim – o disco inaugurava uma coleção lançada pelo jornal O Pasquim, reunindo canções inéditas de um compositor consagrado e de um estreante. Sérgio Ricardo, o produtor do registro, conta que Tom ficou tão impressionado com a qualidade de “Agnus Sei” que comentou, meio brincalhão, meio sério: “Ô Sérgio, você tá querendo me derrubar?” Nascido numa família cheia de músicos, a começar pelo pai libanês, João Bosco começou a tocar violão aos 12 anos. Ainda em 1972, receberia outro empurrão fundamental na carreira com a gravação de “Bala com Bala” por Elis Regina. A partir daí, a genial cantora passou a incluir composições de João Bosco em todos os seus discos. Um dos maiores sucessos da dupla João e Aldir, amplificado pela voz poderosa de Elis, foi “O Bêbado e a Equilibrista”, de 1979, que se transformaria num hino de resistência à ditadura militar que controlava o país. Além de inspirado compositor, João Bosco é reconhecidamente um violonista virtuoso e um intérprete de estilo único.

356x237

João Bosco

Mineiro de Ponte Nova, João Bosco só lançou o primeiro disco aos 26 anos, em 1972, mas não poderia ter feito isso de maneira mais gloriosa. Sua música “Agnus Sei”, com letra daquele que seria seu parceiro mais fiel, Aldir Blanc, foi a escolhida para o lado B de um compacto que trazia a primeira gravação de “Águas de Março”, de Tom Jobim – o disco inaugurava uma coleção lançada pelo jornal O Pasquim, reunindo canções inéditas de um compositor consagrado e de um estreante. Sérgio Ricardo, o produtor do registro, conta que Tom ficou tão impressionado com a qualidade de “Agnus Sei” que comentou, meio brincalhão, meio sério: “Ô Sérgio, você tá querendo me derrubar?” Nascido numa família cheia de músicos, a começar pelo pai libanês, João Bosco começou a tocar violão aos 12 anos. Ainda em 1972, receberia outro empurrão fundamental na carreira com a gravação de “Bala com Bala” por Elis Regina. A partir daí, a genial cantora passou a incluir composições de João Bosco em todos os seus discos. Um dos maiores sucessos da dupla João e Aldir, amplificado pela voz poderosa de Elis, foi “O Bêbado e a Equilibrista”, de 1979, que se transformaria num hino de resistência à ditadura militar que controlava o país. Além de inspirado compositor, João Bosco é reconhecidamente um violonista virtuoso e um intérprete de estilo único.

Sobre João Bosco

Mineiro de Ponte Nova, João Bosco só lançou o primeiro disco aos 26 anos, em 1972, mas não poderia ter feito isso de maneira mais gloriosa. Sua música “Agnus Sei”, com letra daquele que seria seu parceiro mais fiel, Aldir Blanc, foi a escolhida para o lado B de um compacto que trazia a primeira gravação de “Águas de Março”, de Tom Jobim – o disco inaugurava uma coleção lançada pelo jornal O Pasquim, reunindo canções inéditas de um compositor consagrado e de um estreante. Sérgio Ricardo, o produtor do registro, conta que Tom ficou tão impressionado com a qualidade de “Agnus Sei” que comentou, meio brincalhão, meio sério: “Ô Sérgio, você tá querendo me derrubar?” Nascido numa família cheia de músicos, a começar pelo pai libanês, João Bosco começou a tocar violão aos 12 anos. Ainda em 1972, receberia outro empurrão fundamental na carreira com a gravação de “Bala com Bala” por Elis Regina. A partir daí, a genial cantora passou a incluir composições de João Bosco em todos os seus discos. Um dos maiores sucessos da dupla João e Aldir, amplificado pela voz poderosa de Elis, foi “O Bêbado e a Equilibrista”, de 1979, que se transformaria num hino de resistência à ditadura militar que controlava o país. Além de inspirado compositor, João Bosco é reconhecidamente um violonista virtuoso e um intérprete de estilo único.

Sobre João Bosco

Mineiro de Ponte Nova, João Bosco só lançou o primeiro disco aos 26 anos, em 1972, mas não poderia ter feito isso de maneira mais gloriosa. Sua música “Agnus Sei”, com letra daquele que seria seu parceiro mais fiel, Aldir Blanc, foi a escolhida para o lado B de um compacto que trazia a primeira gravação de “Águas de Março”, de Tom Jobim – o disco inaugurava uma coleção lançada pelo jornal O Pasquim, reunindo canções inéditas de um compositor consagrado e de um estreante. Sérgio Ricardo, o produtor do registro, conta que Tom ficou tão impressionado com a qualidade de “Agnus Sei” que comentou, meio brincalhão, meio sério: “Ô Sérgio, você tá querendo me derrubar?” Nascido numa família cheia de músicos, a começar pelo pai libanês, João Bosco começou a tocar violão aos 12 anos. Ainda em 1972, receberia outro empurrão fundamental na carreira com a gravação de “Bala com Bala” por Elis Regina. A partir daí, a genial cantora passou a incluir composições de João Bosco em todos os seus discos. Um dos maiores sucessos da dupla João e Aldir, amplificado pela voz poderosa de Elis, foi “O Bêbado e a Equilibrista”, de 1979, que se transformaria num hino de resistência à ditadura militar que controlava o país. Além de inspirado compositor, João Bosco é reconhecidamente um violonista virtuoso e um intérprete de estilo único.

Disponível em iOS, Android, Windows e Web.

Músicas ilimitadas em qualquer lugar. Milhões de músicas em todos os gêneros.

Disponível em iOS, Android, Windows e Web.